quinta-feira, 5 de maio de 2016

Sporting em destaque na World Soccer


O Sporting está em destaque na famosa revista World Soccer pela escrita de Tom Kundert. Já agora, o Tom Kundert está muito presente nas redes sociais, nomeadamente no twitter pelo @PortuGoal1, a Portuguese football/soccer news no site PortuGOAL.net.

As primeiras palavras das 10 páginas de reportagem são um súmula do que por lá se pode ler. "Under coach Jorge Jesus and dynamic presidente Bruno de Carvalho, Sporting are onde again a major force in Portuguese football".

O texto passa pela entrada de Bruno de Carvalho para presidente do clube, as figuras de destaque no Sporting: Bruno de Carvalho, Jorge Jesus, Adrien Silva, Octávio Machado e Augusto Inácio. Depois uma passagem pelo Estádio José Alvalade, o treinador, o equipamento, o plantel actual e termina num "face to face" com o presidente do Sporting.

Fala o Sporting, o Benfica e até o Porto!


O Sporting no passado sábado venceu no Dragão. Por momentos, nos últimos jogos, inverteu-se uma tendência completamente negativa e a vitória representou feitos que já não se verificavam há 40 anos.

Foi um grande jogo do clube, numa exibição personalizada, com o apoio incrível dos seus adeptos e que trouxe ânimo para estes últimos dois jogos que ainda há pela frente para tentar a difícil conquista do título de campeão nacional.

O que faz o Jornal do Sporting?

Nem uma referência sobre o jogo. Mas o que mais me irrita são as três referências ao eterno rival depois desta vitória. Passámos ao lado de uma importante vitória, para falar dos "eles", "alguns" e "rival", tudo referências ao Benfica.

Se já no passado sábado tinha ficado chateado pela importância que alguns adeptos deram às palavras de Pinto de Costa, sinceramente, eu não quero complacência desse senhor e até fico agoniado só de pensar nas palavras que ele proferiu relativamente ao Sporting ser superior ao Benfica. Ele não elogiou o Sporting, ele quis aproveitar-se do Sporting para dar mais uma bicada ao Benfica, não se iludam.

Não quer dizer com isto que não devemos falar do rival. Claro que devemos e vou aproveitar para dar uma opinião sobre os últimos bate-bocas.

Obviamente, que fomos nós a abrir as hostilidades.

Obviamente, que na minha opinião, o Presidente do Sporting dá (e deu) muita importância a certos assuntos, quando deveria ter deixado para outros.

Obviamente, que o Benfica não está calado e isso é uma ilusão. A célebre "estrutura" para ficar bem na figura tem um conjunto de peões que fazem o "trabalho sujo". O suficiente para eles poderem dizer "no Sporting falam os dirigentes, no Benfica não fala ninguém".

Claro que é mentira. O Benfica fala e muito!

Vejamos.

Gabriel abre as hostilidades, depois seguem-se Gobern e Diamantino, a seguir o Rui Gomes da Silva, José Eduardo Moniz e Pedro Guerra. Isto só para lembrar alguns, podíamos ainda referir o Jaime Antunes ou o Figueiredo.

A questão, tal como já disse em tempos, é que eles foram mais inteligentes, deixaram durante muito tempo o Presidente do Sporting a falar sozinho, ou a dar a entender que falava sozinho. Soltaram até à exaustão o célebre "nós não falamos", este soltaram, foi via alguma comunicação social conivente, depois os resultados desportivos ajudaram e passaram para primeiro lugar e a partir daí, os lacaios do costume intensificaram as críticas.

Portanto, o Benfica fala e muito!

quarta-feira, 4 de maio de 2016

Ainda choram pelo Suk?


As lágrimas que alguns Sportinguistas soltaram por alturas da sua contratação para o Porto, lembram-se?

Se o ridículo pagasse imposto, adicionado da crítica fácil à actual direcção, o Sporting está livre de pagamentos ao estado!

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Guião do adepto Sportinguista da crítica fácil!


O Sporting está na luta pelo título. Difícil como todos sabíamos desde o início, mas estamos na luta como Jorge Jesus prometeu, e já agora Bruno de Carvalho. 

A vitória no Dragão mostrou que merecemos ir até ao último minuto do campeonato e batalhar pelo tão apetecido título. 

Mas, tem sido frequente que muitos confundam não gostar-se de algumas das acções de Bruno de Carvalho com o trabalho que tem sido feito pela direcção que ele preside. Onde, obviamente, os resultados estão à vista e têm outros intervenientes.

Foram assim os últimos nove meses para alguns adeptos do Sporting, não viveram uma época que pode ser fantástica, e mesmo que não seja, é inquestionável a qualidade do futebol praticado e as alegrias que nos têm trazido.

Segue o guião utilizado ao longo da época:

Agosto
A vitória da Supertaça não os convenceu. É quase um troféu de pré-época.
Já eliminação da Liga dos Campeõs pelo CSKA, nas condições que todos conhecemos, foi o arremesso que precisavam para início de época. Isso e começar a falar de Carrillo!

Setembro
Carrillo, Carrillo e Carrillo, até se provar que o Sporting não precisava dele para continuar nos bons resultados.
A derrota com o Lokomotiv de Moscovo foi a alegria para alguns, o Sporting não estava a respeitar as competições. Subitamente tínhamos de ir a todas, quando se sabia de antemão que a aposta seria o campeonato.
Depois veio a AG de Bruno de Carvalho que passou na Sporting TV. Rais parta o cubano!
Houve também Football Leaks...agora é que íamos saber tudo de mau que este Presidente andava a fazer com o clube. Acabou por sair um pouco ao contrário.
Salvou-se a vitória na Supertaça de Hóquei em Patins diante do velho rival. Passou ao lado. Não se pode festejar esta coisa de títulos.

Outubro
Entramos no terceiro mês de competição.
Ruptura de Carrillo. Escreveram-se cobras e lagartos e ainda vieram referências a Marco Silva.
Seguiu-se Bruno de Carvalho no Prolongamento da TVI. Um mal necessário, mas claro, "que vergonha este Presidente".
A vitória na Luz por 3-0...chatice quando os resultados não ajudam a história.

Novembro
O Natal a aproximar-se.
Skenderbeu vence-nos por 3-0, claro que até a mim me custou.
A formação este ano não estava a ser tão importante como no ano passado, as coisas corriam bem e até o Observatório do Futebol elogiava a Academia do Sporting como uma das melhores do mundo.
Entretanto, tiveram de parar com as críticas na Liga Europa, a vitória em Moscovo por 4-2, atenuou a coisa.

Dezembro
O mês dos presentes. Oba, oba, importantíssimo para as críticas ao trabalho no Sporting, é que foram tantas coisas.
A NOS assinava com o Benfica. O Sporting não fazia nada. O Sporting nem patrocínio tinha na camisola e ainda aturamos a Macron.
O ciclismo regressava, mas a história à volta da W52 é que lhes fazia as delícias. 
Na Liga Europa...passámos a fase de grupos. O guião suspendeu-se!

Veio depois o ponto alto do mês para a crítica fácil: Braga elimina-nos da Taça de Portugal, o União da Madeira vence-nos, o TAS condena o Sporting no caso Rojo e vê-se por alguns dos blogues do costume, da tal crítica fácil,  o termo "guerra civil" no Sporting.

O ano fecha com o acordo entre o Sporting e a NOS, o maior de sempre feito pelo nosso clube. Guião estragado no assunto dos patrocínios e afins.

Vira o ano.

Janeiro
Começa com AG da SAD impulsionada por notícias erradas de certos jornais, principalmente vindas do Porto, as VMOCs e o Sporting ia perder a maioria no clube. Só faltou haver um relógio com o tempo a diminuir até ao final desse célebre reunião, que, muitos de lembrarão, foi totalmente desmentido o que se dizia pelo Presidente e pelas negociações que vieram a público.
Mas fomos eliminados pela Taça da Liga. Agora já todos gostavam desta competição.
E como estávamos com o mercado aberto, Suks e Maregas. Parecia que estavam aí os novos Messis e Ronaldos. As figuras que se fizeram por isto!

Fevereiro
Foi um mês terrível no futebol: empatámos em casa com o Rio Ave e eliminados da Liga Europa.
Agora era só o campeonato. E se não conseguirmos chegar ao título..."morte" a Jesus!

Março
Claro que é o mês, na minha opinião, que mais me custa falar, principalmente do ponto de vista desportivo. Mas nunca abandonei o Sporting e não embarquei na crítica fácil.
Empatámos em Guimarães e perdemos com o Benfica a liderança da Liga.
Apareceram os cartazes e os panfletos anti-Bruno, que, ainda no sábado ouvi no Dragão dizer que tinha sido o próprio Bruno a fazer aquilo. Sabem lá do que falam...

Abril
Doyen, Doyen e Doyen.
Jorge Jesus no Porto.

Chegamos a Maio, depois de uma vitória fantástica no Dragão já não há muito a dizer do que está a ser feito neste época. Claro que não festejamos segundos lugares, mas porra, vá, aproveitem lá os últimos 2 jogos e depois lá falaremos de balanços e críticas mais fundamentadas!

domingo, 1 de maio de 2016

Porto 1-3 Sporting :: Desistir? Nunca!


A notícia da "nossa morte", na sexta pelas 21 horas, era manifestamente exagerada. O melhor Sporting que vi na minha vida no Dragão (e arrisco, até nas Antas), foi autoritário, quis vencer desde o primeiro minuto e esteve convencido durante os 90 minutos que só era possível sair do Porto com os 3 pontos. Assim foi!

Já lá vamos ao incrível apoio dos adeptos do Sporting, porque é fundamental a sua presença nas duas vitórias que recentemente obtivemos no Dragão. Vamos recordar que o Sporting em 81 jogos no clássico em casa do Porto apenas tinha vencido 13. É assustador e mostra o receio que as nossas equipas têm destes jogos.  Para o campeonato, a última vitória tinha sido em Março de 2007 no célebre golo de Rodrigo Tello.


Os adeptos não entram em campo, mas ajudam. Vejamos que nos últimos 3 confrontos no Dragão, em todas as competições, conseguimos 2 vitórias, ontem e na Taça de Portugal, pelo mesmo resultado. Sabem que isto não acontecia desde 1975, ter mais vitórias que o Porto em casa deles em mais que 2 jogos, obviamente, aconteceu há mais de 40 anos quando estivemos 5 jogos sem perder contra eles (2V e 3E).

Tal como na Taça, ontem, os adeptos que vieram de todo o lado, entraram no Dragão com a confiança total nesta equipa, sabendo que o jogo era de tripla, mas que só podia tombar para um lado. O meu prognóstico falhou pelo golo do Porto, tinha apontado para um 3-0, e há provas disso, mas Soares Dias, que tanto tenho elogiado nos últimos tempos, esteve mal a assinalar uma grande penalidade contra o Sporting que não existe ainda por cima seguida de uma falta clara sobre Schelotto.

Há que dizer que o clássico foi bem disputado. A posse de bola foi muito dividida, embora o Sporting tenha sido mais objectivo na procura do golo, houve claríssimas oportunidades para ambos os lados, mais para o Sporting,  emoção, golos, frangos e festejos emocionados. 

Os primeiros 25 minutos foram aqueles em que o domínio esteve mais repartido. João Mário abre uma sequência de falhanços pessoais logo na primeira jogada, Herrera na resposta atira ao poste. Logo de seguida Slimani atira de cabeça para Casillas defender, Aboubakar responde com Porto, serve na perfeição Slimani que só tem de encostar e fazer o seu 25º golo da época. 

O Sporting com o golo sentiu-se mais confiante, a pressão exercida era de tal forma, que o Porto perdia muitas bolas na primeira fase de construção do jogo.

Minutos mais tarde Slimani volta a por à prova Casillas, lance idêntico ao primeiro golo, mas desta vez o guardião portista estava no sítio certo.

Não marcámos o segundo golo, o Porto respondeu com o empate saído de uma grande penalidade não existente.

O Sporting não vacilou. Continuou incólume, fiel à sua estratégia, e no último minuto do primeiro tempo, Bryan Ruiz faz magia. Recebe a bola de um lançamento lateral, passa pelo meio de dois adversários e com uma assistência perfeita coloca a bola na cabeça de Slimani que fuzila Casillas.

O Sporting foi para o intervalo com uma vantagem mais que justa!



Entretanto nas bancadas continuava o espectáculo dos adeptos Leoninos. Mais uma tarde de grande animação, que só não correu melhor, porque muitos adeptos entraram já depois do jogo começar. Estádios novos, velhos hábitos!

Os primeiros 10 minutos da segunda parte são os menos bons do Sporting. A equipa não se encontrou, demorou a entrar no jogo, viu uma bola embater na barra num livre de Sérgio Oliveira, mas Slimani aos 56' reagiu e voltou a colocar a baliza do Porto em perigo. 

O Sporting voltou a pegar no jogo e seguiram-se oportunidades para Adrien, Slimani, que estava imparável e Casillas fazia uma das defesas da tarde. O Porto a respondia como podia. 

Mas era dia do Sporting do vencer e continuar a acreditar que o título é possível. Difícil, mas possível.

A 5 minutos do fim, João Mário assistiu Bruno César, que tinha entrado aos 80, aliás, Jorge Jesus demorou a mexer na equipa, lembrou-me de certa forma o jogo em Moscovo para a Liga dos Campeões, mas ontem dou de desconto o facto da equipa estar a jogar bem e não ser fácil mexer, mas havia jogadores muito cansados. O Xuta-Xuta correu imparável em direcção a Casillas, disparou e a bola passou por baixo do guardião do Porto e entrou na baliza em câmara lenta como na tv.

Estava feito o resultado final, num final de tarde perfeito. O Sporting vencia, naturalmente, o jogo em casa do Porto.

Apito final, a festa do costume, pela 25ª vitória na Liga, recorde histórico do Sporting, e o "speaker" do Dragão, tão incomodado que estava com o show que vinha da nossa bancada lá colocou o volume da instalação sonora o mais alto que podia. Indiferente, a festa era total e já as bancadas do lado azul estavam vazias, pois começaram aos 80 minutos a debandada geral.

O regresso a casa foi no cortejo, a pé, obviamente, com os cânticos saborosos em direcção ao Solar do Norte, essencial para este ressurgimento do Sportinguismo no Porto, destaco o cântico "Mete o Marega allez allez Mete o Marega", que tanto jeito deu para fazer a viagem a pé ladeado por mais polícias que em dia de atentado em Nova Iorque.


Valeu esta vitória mais que 3 pontos? Não.
Apenas nos deu o direito de continuar a acreditar que é possível chegar ao título de campeão nacional.

Desistir? Nunca!

Viva o Sporting Clube de Portugal!

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Obviamente, Sporting!


Muito se confunde a defesa do Sporting com a defesa de Bruno de Carvalho como Presidente do clube. A defesa do Sporting será sempre mais importante e estará sempre acima de tudo o resto, no entanto, principalmente em vésperas de grandes jogos lá aparecem as notícias do costume numa tentativa de difamação de alguém que mudou para muito melhor o Sporting Clube de Portugal.

Obviamente, Bruno de Carvalho está longe da perfeição. Ainda bem. Tem de continuar a trabalhar mais e mais em prol do clube para conseguir que os resultados sejam aquilo que os adeptos pedem.

Obviamente, Bruno de Carvalho errou. Há diferentes abordagens em determinadas decisões com as quais não concordo e já as manifestei aqui neste espaço.

Obviamente, Bruno de Carvalho falhou. Não creio, até à data, que o tenha feito em prol de outros interesses como poderá ter acontecido no passado. A auditoria que serviu de base para avançar com processos para antigos dirigentes, poderá também ser usada contra ele. Diria que ele sabe bem disso e concordará que é mais um instrumento ao serviço dos sócios para avaliar a prestação das direcções e responsabilizá-las. Foi no seu mandato que isto foi implementado.

Obviamente, que desde que anunciou a sua candidatura à Presidência do Sporting, tentam ligá-lo a casos de empresa em falência, negócios duvidosos e afins. Mas são os Jaimes Antunes desta vida que vão a tribunal com casos concretos em esquemas fraudulentos.

Obviamente, que nos querem arrumar do título este fim de semana. Não sabendo se o conseguirão dentro de campo, toca a arranjar "goleadas" nos tribunais. Escolhem 2 ou 3 casos que o clube perdeu, esquecem-se de dezenas em que venceu. 

Obviamente, que no caso do Carlos Freitas, ninguém se lembrará como tudo começou. Mas fazem-se primeiras páginas com quem lutou até onde a justiça permite pela defesa do bom nome do Sporting.

Obviamente, não sei se o Sporting conseguirá ser ou não campeão. Sei que na próxima época, com Jorge Jesus, obviamente, estaremos mais fortes.

Obviamente, aguardo como Sportinguista informado pelas contas do clube e pela política desportiva e financeira a ser implementada para os próximos tempos.

Obviamente, até pelo que tem sido feito, confio na administração financeira que tem sido feita no clube.

Obviamente, não foi por Brian Ruiz ter falhado aquele golo incrível contra o Benfica, que poderemos perder o campeonato. Burro de quem pensa isso, burro de quem não vê a merda do relvado que continuamos a ter em Alvalade, burro de quem não aprecia a qualidade incrível deste jogador.

Obviamente, que o Sporting não podia passar do 8 para o 80 em apenas 3 anos. Mas prefiro estes últimos 3 anos aos últimos 10. O amanhã logo se verá, Nada é estático, as opiniões modificam-se porque a vida do clube é dinâmica.

Obviamente, vamos ao Dragão para vencer num jogo de tripla. Os adeptos Leoninos estão com a equipa.

Obviamente, quem não concordar tem em Março de 2017 um momento para dizer: basta!

Obviamente, o Sporting Clube de Portugal será sempre um clube democrático em que os sócios decidirão sempre o futuro do clube. Não são os ex-Presidentes que se acham inimputáveis, ou os ex-vices dos Reboques que mais não fizeram que sobreviver e ganhar notoriedade à custa do clube.

Obviamente, os jornais podem e devem continuar a escrever o que bem entendem, os adeptos podem e devem fazer as suas escolhas de leitura e acima de tudo podem e devem dar importância ao que realmente é importante: o Sporting Clube de Portugal!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

A importância da vitória do Sporting no Dragão!


Chegamos a um momento absolutamente importante da época, o jogo contra o Porto, no Dragão, onde muitos esperam que se decida o título. 

Como adepto e doente pelo Sporting, são estes jogos que quero viver todos os anos. São um sinal de vitalidade do clube, quer isto dizer que estamos nas discussões que interessam no futebol nacional.

Quem não aguentar isto, quem não desejar isto, quem não perceber que o futebol é feito destes momentos, então é preferível dedicar-se ao tricot. 

O Sporting vai ao Dragão para vencer, sabendo, obviamente, que tudo pode acontecer e que estamos perante um jogo de tripla. Estar no Dragão a apoiar o Sporting, num jogo desta natureza é uma obrigatoriedade. 

Esta equipa merece e muito o nosso apoio e independentemente do resultado que vier a acontecer, e eu sinceramente espero uma vitória da nossa parte, há que perceber que o futuro só pode ainda ser melhor para o Sporting. Por tudo o que tem sido feito!

Claro que sábado a partir das 20 horas e 30 minutos muitos Sportinguistas, para minha tristeza (e não só só), estarão à espera de libertar o ácido que albergam no estômago para puder atirar as célebres, "eu avisei", "não vencemos nada" e por aí fora.

Haverá, com toda a certeza, uma ferida que se abrirá, se o Sporting ficar afastado do título já neste fim de semana. 

E aí...tudo se centrará na discussão em torno de Bruno de Carvalho e da gestão desportiva desta época e alguns dos que se libertaram e puder atirar os mais que conhecidos "eu avisei", a seguir ao jogo diante do Benfica em Alvalade, voltarão a estar em destaque tentando criar uma crise em torno do Sporting, num plano de preparação para atacar as eleições de Março de 2017.

Por isso, nunca uma vitória no Dragão foi tão importante como no próximo fim de semana. No entanto, temo que será um adiar para o festival que poderemos ter no verão se, eventualmente, o Sporting não conseguir ser campeão!

terça-feira, 26 de abril de 2016

Pavilhão do Sporting, uma realidade a caminho!


A palavra "pavilhão" aparece 3 vezes no programa eleitoral que Bruno de Carvalho apresentou nas eleições de 2013. Eu sei que muitos não leram e alguns ainda formulam teorias da conspiração sobre certas matérias, mas tem servido para verificar o que foi prometido e cumprido, será um bom barómetro para que em Março de 2017 se faça uma análise consciente nas vésperas de eleger uma nova direcção.

Dizia que pavilhão aparece 3 vezes: a primeira na parte do programa referente às modalidades, na medida 102. Criação de sinergias entre as modalidades, a segunda no mesmo capítulo na medida 104. Casa das Modalidades, onde se específica a construção de um Pavilhão junto ao Estádio José Alvalade e a terceira referência, no capítulo do Património, na medida 112. Análise e criação de condições para a construção de um Pavilhão Multidesportivo sustentável, tecnologicamente o mais avançado possível, e devidamente apetrechado junto ao Estádio José Alvalade.

As referências são, obviamente, importantes no capítulo das Modalidades e do Património.

Nas Modalidades porque o Sporting durante os reinados de Santana Lopes, Roquette, Dias da Cunha, Soares Franco, José Eduardo Bettencourt e Godinho Lopes, tratou muito mal as modalidades, colocando quase sempre o futebol à frente. Todos sabemos da importância da auto-sustentabilidade das modalidades, mas o caminho mais simples e fácil para quem liderou durante muitos anos o Sporting, foi o de acabar com algumas, sem perceber a relevância das mesmas na identidade e história do Sporting. 

Aliás, o projecto do Estádio José Alvalade, renovado e inaugurado para o Euro 2004, ignorou completamente a importância das modalidades e dos seus briosos atletas na propagação do Sporting (e de Portugal) pelo mundo fora. 

Vieram anos e anos de tormenta. O que antigamente era um prazer para qualquer adepto do Sporting: estádio e nave de Alvalade, transformou-se num calvário que não parecia ter fim. O rival Benfica com dois pavilhões e títulos a aparecerem em barda, a norte, no Porto, a solução encontrada para a construção de um pavilhão a fazer corar qualquer projectista que esteve na definição do Alvalade XXI, o futuro do Sporting sem casa das modalidades.

Claro que pavilhão também apareceu no programa eleitoral na parte referente ao Património. O aumento absolutamente brutal do passivo sem que as modalidades possam ter um casa para jogar, é um das maiores contradições que as direcções passadas nunca conseguiram, nem souberam explicar. 

Nunca houve um plano para reformular o modelo de auto-sustentabilidade das modalidades, nem de recuperação das que entretanto foram perdidas e muito menos a de compreender a importância do pavilhão no Sportinguismo e no Património do Sporting Clube de Portugal, um clube ecléctico mundial como poucos.

A imagem que ilustra este post apareceu este fim de semana pelas redes sociais. Absolutamente esmagadora e que faz corar de vergonha o que no passado se passou em relação a este assunto. 

A obra vai renascendo das cinzas e finalmente, se tudo tiver dentro do calendário apresentado, iremos finalmente ver os atletas do Sporting, que tão maltratados foram durante anos e que tanto dão ao clube, ter um espaço deles ao lado do Estádio que representa o que o Sporting é o desporto mundial.

Faz corar as direcções passadas, alguns adeptos que, em 2013, falaram tanto de demagogia e agora procuram um buraco para enterrar a cabeça.

Foi através de um Missão Pavilhão? Bem, recordar uma mentira que muito por aí se fala. O pavilhão está pago foi dito numa AG pelo Presidente. Porque razão continua a Missão Pavilhão? Por uma razão muito simples, o Sporting tem um multidesportivo no actual estádio por onde passam milhares de atletas em condições vergonhosas.

Esse multidesportivo foi deixado ao abandono no tempo de Godinho Lopes. Estive lá numa AG e o estado de degradação era incrível. Daí que quando o pavilhão ficou com as contas equilibradas e ficou pago, a Missão Pavilhão continuou para que seja possível fazer as tão necessárias obras de manutenção que os milhares de atletas que diariamente por lá passam, possam em segurança continuar a elevar bem alto o nome do Sporting.

Não está ainda completo o pavilhão. Está no bom caminho e haverá muito ainda para fazer. Aliás, o que espero do próximo programa eleitoral de Bruno de Carvalho é um plano para perceber como se irão aguentar as modalidades e como serão recuperadas outras (por exemplo voleibol e basquetebol) para que a vergonha que se tem passado nos últimos anos no Sporting não volte nunca mais!