domingo, 11 de fevereiro de 2018

Sporting 2-0 Feirense :: enerVAR não foi suficiente!

foto: Carlos Rodrigues/Getty Images


Raramente centro os meus textos na actuação do árbitro. Tento sempre analisar pelo lado do Sporting, o que correu melhor ou pior, o que poderia fazer Jorge Jesus, e por aí fora. Mas hoje em Alvalade, Manuel Oliveira, que foi o Vídeo Árbitro do jogo desta noite não esteve bem. Digo não esteve bem para não entrar por outros campos.

Nos primeiros 45 minutos em Alvalade, depois de uma entrada forte do Sporting que tudo fez para marcar, e marcou, foi deitado ao lixo o trabalho que foi preparado durante a semana, porque uma arbitragem habilidosa conseguiu destruir tudo aquilo que o nosso clube fez para chegar ao intervalo a vencer.

Aos 21 minutos de jogo Doumbia isolado diante de Caio Secoo inaugurou o marcador. O lance foi sinalizado pelo VAR e Luís Ferreira anulou. Decisão errada. O VAR descobriu uma suposta falta de Bruno Fernandes ali pela altura da Dinastia Shang. Não só é duvidosa a falta de Bruno Fernandes, como o Feirense recuperou a bola, seguida de nova recuperação pelo Sporting que se lançou no ataque e marcou um golo limpo.

Não demorou muito a haver novo lance duvidoso a prejudicar-nos. Aos 32 minutos, há um mão clara de Tiago Silva. Dentro da área, o médio do Feirense apesar de estar com os braços junto ao corpo, lança-se deliberadamente para a bola cortando-a. O VAR ainda foi chamado mas nada foi assinalado.

Assim, com 2/3 da primeira parte do jogo decorridos, o Sporting viu duas decisões tirarem-lhe a oportunidade de se adiantar no resultado. Algo que intranquilizou a equipa.

O intervalo não chegava sem antes nova decisão do VAR desta vez bem. Um pénalti assinalado por Luís Ferreira viria a ser analisado e percebeu-se que o jogador do Feirense cortou com a cabeça.

Intervalo sem golos. VAR a prejudicar o Sporting, e, neste caso, com uma decisão que diria ser pioneira na Liga Portuguesa, o tal lance aos 21 minutos.

A segunda parte começa praticamente como acabou a primeira com o Sporting em cima do Feirense. Mais de 65% de posse de bola, aos 16 remates da primeira parte respondemos com mais 12, mas havia uma falta de confiança gritante na forma como os jogadores do Sporting abordavam os lances. Ora porque alguns não estão entrosados, Montero e Doumbia remam cada um para o seu lado, ora porque a primeira parte deixou marcas.

Jorge Jesus aguentou até aos 69 minutos altura em que entrou Rafael Leão.

Recuo até quarta feira passada ao jogo do Dragão onde não quisemos ser felizes. Já não é a primeira vez que isso acontece. O Sporting a meio da semana jogou para a Taça de Portugal contra o Porto e à falta de golos, não tínhamos ninguém no banco capaz de substituir Dost que está lesionado, o esquema no Dragão foi o mesmo que esta noite, Doumbia e Montero, e um plano B pouco fiável. 

Rafael Leão tem demonstrado que merece, aos poucos, a sua oportunidade na equipa A. Se a Youth League foi, certamente, um bom prémio para o jovem jogador durante a semana (apesar do mau resultado), melhor teria sido jogar no Dragão diante do Porto. Foi pena que não tivesse acontecido. Mais vale tarde que nunca e hoje foi mesmo opção.

O tempo foi passando, todos a ficarem cada vez mais enervados, felizmente os 42 mil que estavam em Alvalade nunca deixaram de apoiar. Fantástico apoio esta noite e só aos 78' puderam gritar bem alto golo sem ter receio do VAR anular. 

William Carvalho colocou a bola dentro da baliza de Caio, e, finalmente, o marcador mexeu com naturalidade para o nosso lado.

Estava, à partida, encontrado o vencedor da noite e Montero aos 90' ainda elevou para dois golos a vantagem do Sporting após a oitava assistência de Gelson Martins (menos duas que Bruno Fernandes que lidera este ranking). 

O Sporting venceu de forma absolutamente justa, e não foi só porque meteu duas batatas na baliza do Feirense, nos últimos 10 jogos em Alvalade apenas sofremos 1 golo, e há 32 anos que não estávamos com 8 ou mais jogos consecutivos sem sofrer golos, sendo preciso recuar ao tempo do mítico Vítor Damas para tal cenário em 1986. 

Agora uma longa viagem até ao Cazaquistão, jogo diante do Astana para a Liga Europa, para depois nova deslocação no campeonato até Tondela onde se espera que o Estádio João Cardoso seja pequeno para tantos Sportinguistas que, apesar de ser uma segunda-feira, irão marcar presença!

Sem comentários: